05/05/2021 às 14h14min - Atualizada em 05/05/2021 às 14h14min

Mortes de idosos com 80 anos ou mais cai pela metade no Brasil após início da vacinação

Estudo foi feito pela Universidade Federal de Pelotas

Redação Agora Joinville
Durante o ano de 2020, as mortes de idosos se mantiveram no patamar de 25% a 30% de todos os óbitos por COVID-19. Foto: Secom
Um estudo liderado pela Universidade Federal de Pelotas mostrou que a proporção de mortes de pessoas de 80 anos ou mais caiu desde o início da vacinação no Brasil.

Durante o ano de 2020, as mortes de idosos se mantiveram no patamar de 25% a 30% de todos os óbitos por COVID-19. As mortes nessa faixa etária representavam 28% do total de óbitos em janeiro, quando iniciou a campanha de imunização para grupos prioritários no país, entre eles os mais idosos. No final de abril, esse percentual recuou para 13% – o menor já registrado para o grupo etário durante toda a pandemia.

Para as análises, os pesquisadores utilizaram dados sobre mortes por COVID-19 e cobertura vacinal contra o coronavírus registrados pelo Ministério da Saúde no intervalo de 3 de janeiro a 22 de abril. Nesse período, o país registrou 171.454 mortes por coronavírus.

O número de óbitos por COVID-19 em todas as idades aumentou a partir do final de fevereiro em decorrência da rápida disseminação da variante P.1 em todo o país. No início de março, a nova cepa, identificada pela primeira vez em dezembro no estado do Amazonas, já respondia por mais da metade dos casos de infecção em oito dos dez estados brasileiros com dados disponíveis sobre sequenciamento genômico do vírus. Do total de 377.124 mortes causadas pelo coronavírus desde o início da pandemia, mais de 45% (171.454) aconteceram em 2021.

Durante todo o primeiro ano de pandemia, a proporção de mortes de idosos de 80 anos ou mais se manteve estável em níveis de 25% a 30%. Em janeiro de 2021, esta faixa etária concentrava 28% das vítimas de Covid-19, mas a partir da metade de fevereiro esta proporção começou a diminuir, tendo alcançado 13,1% nas primeiras semanas de abril.

As análises de proporção de mortes em idosos foram complementadas por análises de taxas de mortalidade por COVID-19, nas quais os óbitos são divididos pela população brasileira em cada grupo de idade. Em janeiro, a taxa de mortalidade entre pessoas de 80 anos ou mais era 13,7 vezes maior do que para pessoas com zero a 79 anos de idade. Essa relação caiu para 6,9 vezes no início de abril. Dados preliminares da semana de 11 a 17 de abril apontam uma taxa 5,8 vezes maior, sugerindo a continuação da tendência de queda.



Os pesquisadores estimam que a redução corresponda à prevenção de aproximadamente 14 mil mortes de pessoas de oitenta anos ou mais durante o intervalo de oito semanas entre meados de fevereiro e abril. De acordo com as estimativas, se o número de mortes entre os mais idosos tivesse continuado no mesmo ritmo observado para grupos etários mais jovens, seriam esperadas 47.992 mortes contra as 34.168 registradas no período.

 “A explicação mais provável para a queda proporcional de mortes entre os mais idosos em comparação com indivíduos mais jovens é o rápido aumento da cobertura vacinal entre brasileiros com oitenta ou mais anos, com esse aumento precedendo o declínio das mortes”, comenta o epidemiologista e líder do estudo Cesar Victora, da Universidade Federal de Pelotas. O aumento da cobertura vacinal entre as pessoas com 80 anos ou mais coincide com a priorização dos grupos populacionais mais idosos. Os níveis nacionais de cobertura com a primeira dose de vacina alcançaram 50% dessa faixa etária na primeira quinzena de fevereiro; 80%, na segunda quinzena de fevereiro, e estabilizaram-se em torno de 95% em março.

Os atuais resultados de queda na mortalidade iniciando em fevereiro são compatíveis com um efeito protetor da primeira dose das vacinas, efeito este que é ainda mais alto a partir da segunda dose.

A vacina CoronaVac representa mais de três em cada quatro doses de imunizantes administrados no Brasil, sendo a vacina Oxford/AstraZeneca responsável pela quase totalidade do restante. Os dados existentes não permitem estudar o impacto de cada tipo de vacina separadamente.

Outra conclusão importante é que os atuais resultados sugerem proteção pelas vacinas mesmo em um cenário onde a variante P.1 predomina. Essa conclusão reforça os resultados de pesquisas realizadas em Manaus e São Paulo entre profissionais de saúde vacinados nos primeiros meses de 2021, que evidenciaram proteção também a partir da primeira dose em populações afetadas pela variante.

“Uma vez que medidas não farmacológicas, como distanciamento social e uso de máscara, não estão sendo uniformemente aplicadas na maior parte do país, o rápido progresso da vacinação continua sendo a abordagem mais promissora para controlar a pandemia em um país onde quase 400 mil vidas já foram perdidas para a COVID-19”, conclui o pesquisador.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

91.7%
4.2%
4.2%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp