Entrevista: vereador mais votado de Joinville fala sobre carreira na política e objetivos para 2021

Alisson Julio recebeu mais de 9,5 mil votos na cidade

Por Beatriz Kina 20/11/2020 - 09:06 hs
Foto: Foto: Divulgação/ Rede Social

Alisson Julio (Novo) foi o vereador mais votadas nessas eleições em Joinville. Ele recebeu 9.574 votos joinvilenses, enquanto o segundo mais votado ganhou 5.593 votos a menos. Alisson concedeu uma entrevista ao jornal Agora Joinville falando sobre a história dele na política e os planos para 2021. Confira:

Você é o primeiro vereador cadeirante de Joinville e o mais votado nessas eleições, o que isso representa para você?

Primeiramente uma enorme responsabilidade. Uma votação tão expressiva mostra o quanto as pessoas estão esperando de mim. Em toda minha vida eu fui o primeiro ou ao menos um dos primeiros cadeirantes em quase tudo. O primeiro na escola, o primeiro na faculdade, um dos primeiros no empresa que trabalhei. Estes lugares felizmente sofreram mudanças após minha passagem, mudanças para melhor! Depois de mim diversos outros cadeirantes passaram a frequentar ambientes que antes não frequentavam. E é assim que eu vejo minha entrada na CVJ. Sou o primeiro mas não quero ser o único. Quero que um dia ver um cadeirante com mandato seja normal. E pra isso muitos desafios devem ser vencidos. A começar pela garantia de acesso a serviços básicos como escola. Muitas vezes são questões tão básicas que as pessoas sem deficiência não percebem, como o direito de ir e vir, que é tolhido dos PCDs pela falta de acessibilidade. Este naturalmente será o meu foco, mas certamente não será a única.

O que te fez entrar para a política?

Quando comecei a dar palestras para contar minha vida para as pessoas, falando sobre inclusão e resiliência, muitas gente começou a me estimular dizendo que eu era um cara bom, preparado e que deveria tentar entrar para fazer ainda mais a diferença na vida das pessoas. Mas a gente sempre tem um pé atrás com isso, de se envolver com política, com partidos. Mas depois de várias conversas acabei percebendo que era sim possível fazer política de forma bem intencionada, limpa e eficiente. Foi então que em 2016 eu busquei minha primeira candidatura, uma candidatura totalmente experimental. Quase fui eleito, fiquei como segundo suplente. Isso me motivou ainda mais a correr atrás deste objetivo.

Segundo informações do TSE, esta é a terceira vez que você se candidata a este cargo, mas é a primeira vez que alcança o cargo, o que mudou em relação as outras vezes?

Primeiramente uma correção. Esta foi a segunda vez que me candidato ao cargo de vereador. A primeira foi em 2016. Em 2018 me candidatei também, mas foi a deputado estadual. O que mudou certamente foram três coisas: a experiência com campanha, o trabalho que foi feito desta vez com muito mais energia por parte minha e dos inúmeros voluntários que me ajudaram e o preparo. Em 2017/2018 fui o único Joinvilense selecionado na maior escola de políticos do Brasil, o RenovaBR. Uma escola dedicada a transformar pessoas comuns em políticos fora do comum. A época foram selecionados apenas 133 no Brasil todo. Não fui eleito, o salto para deputado estadual era muito grande. Mas havia conseguido um resultado expressivo. Foram 10.621 votos em Santa Catarina, sendo 8.888 de Joinville. Certamente foi uma experiência que serviu muito para me preparar para o pleito deste ano. Não obstante eu participei também da turma de 2019/2020 do RenovaBR, desta vez focado nos temas municipais, onde inclusive fui monitor de 140 dos 1.400 do curso. Tive o prazer de ser chamado de professor por eles. Tudo isso e muito mais me ajudou a chegar onde cheguei hoje.

Você acredita que daqui para frente Joinville verá outros cadeirantes também disputando cargos públicos? 

Não sou o primeiro cadeirante a disputar cargos públicos em Joinville. Conheço vários que já disputaram as eleições aqui, inclusive neste ano também. Fui o primeiro a ser eleito e espero não ser o último. Quero que um dia ver PCDs eleitos na nossa cidade seja algo comum.

Na Câmara de Vereadores, qual será sua principal pauta?

Além da fiscalização da acessibilidade, que naturalmente é um de meus focos por eu sentir na pele as dificuldades do dia a dia, lutarei pela desburocratização de nossa cidade. Por ser da área da tecnologia também irei atuar na proposição de ferramentas ágeis dos serviços públicos de Joinville. Hoje em dia fazemos de tudo pelo celular. O que pudermos fazer online referente ao que é municipal irei propor. Isso irá diminuir muito os custos, as filas e aumentará demais a eficiência. Além de propor coisas no âmbito legislativo serei forte fiscalizador das ações da prefeitura. Aliás, esta é a principal função de um vereador.

O segundo vereador mais votado recebeu quase 6 mil votos a menos, qual você acredita que seja o seu diferencial para que esse resultado tenha acontecido? 

Acredito que a população estava exausta dos mesmos políticos com as mesmas atitudes. Prova disso é que dos 19 vereadores apenas 4 se reelegeram. Além disso, tivemos uma campanha muito bem estruturada, com um planejamento forte, com muito voluntários que acreditaram no projeto e se esforçaram de corpo e alma pra me ajudar. Muitos vieram me falar também que conquistei seus votos através das redes sociais, por ter uma alta frequência de conteúdos interessantes, ações de marketing criativas. Também há quem veio através das ações de rua, majoritariamente feitas pelo meu pai Vilmar e meu avô Marinho. Eles estavam quase todos os dias na rua buscando votos e isso cativou as pessoas. Nós sempre contamos com a entrega de panfletos qualificada. Ou seja, não é apenas uma entrega, muito menos apenas bater ponto segurando bandeiras. Mas sim uma entrega onde se para e conversa com as pessoas, se explica as informações, se doa um tempo a mais para mostrar que somos diferentes da velha política e viemos para fazer a diferença. Claramente devo muito disso ao partido Novo. A onda laranja tomou conta da cidade, elegeu 3 vereadores, colocou Adriano Silva no segundo turno colado no primeiro lugar. As pessoas querem algo novo e o Novo está aqui para isso. Muitos dos votos que conseguimos eram votos que certamente já eram do Novo, a pessoa só estava tentando decidir em qual dos candidatos a vereador do partido iriam depositar seu voto. Então esta vitória não é só de nós 3 eleitos. Essa vitória foi um esforço em conjunto dos 19 candidatos e do diretório.

Qual a primeira medida que você pretende tomar quando o ano de 2021 começar?

Já no começo do mandato iremos propor um mutirão da desborucratização, incluindo todos os responsáveis como a CVJ, a PMJ e ministério público. Precisamos rever as leis de Joinville que muitas delas são antiquadas, ou que estão aí só pra atrapalhar. E se na prefeitura tivermos Adriano Silva como prefeito certamente este será um trabalho mais fácil de ser executado. Pois esta também é uma de suas prioridades.