25/02/2021 às 09h36min - Atualizada em 25/02/2021 às 09h36min

Joinville não deve adotar "política higienista" para moradores em situação de rua

A gente não consegue ir lá pegar a pessoa e colocar na Kombi, disse Fabiane Cardozo

Redação Agora Joinville
Josi Tromm
Divulgação
A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Câmara discutiu ontem (24) a política do município para pessoas em situação de rua. A secretária de Assistência Social, Fabiane Cardozo, explicou que não é possível simplesmente retirar as pessoas da rua, como cobra parte da população. “Não é uma política higienista que a gente prega, é uma política de educação, estamos lidando com seres humanos”, afirmou.

Segundo o vereador Sales (PTB), a população do Centro está apreensiva com a presença de pessoas em situação de rua, como dormindo em frente a bancos. “Hoje quem mora no Centro da cidade tem medo de convidar alguém para ir em sua casa”, contou o parlamentar.

Joinville oferece hospedagem e comida gratuitas, mas nem todos aceitam participar dos programas. Muitos são usuários de drogas e encontram mais liberdade nas ruas do que em abrigos. “As pessoas perguntam ‘como é que tem gente na rua se tem vaga lá (nos abrigos)?’ Eles têm que querer. A gente não consegue ir lá pegar a pessoa e colocar na Kombi”, disse Fabiane.

Não existe um censo de pessoas em situação de rua, em Joinville, e a Prefeitura não fez estimativas. Em 2007, segundo o vereador Maurício Peixer (PL), havia 147 pessoas nessa situação. Hoje, segundo ele, há cerca de mil. “Os prefeitos que passaram não tiveram atenção a isso, e Joinville se tornou uma cidade agradável para essas pessoas”, disse o atual presidente da CVJ.

Localizado ao lado da rodoviária, o Centro POP atende cerca de 300 cidadãos por mês. A maioria, 63%, vem de outros estados e já está na rua há mais de seis meses, conforme dados do Centro POP que foram tabulados ano passado. Muitos vieram despachados por prefeituras onde a política é se livrar deles, como Balneário Camboriú, segundo a secretária de Assistência Social.

Fabiane admitiu, porém, que a abordagem pode mudar, passando a ser mais frequente oferecer passagens de volta para a cidade de origem para quem não aceita encaminhamento para o mercado de trabalho, por exemplo. “A gente está pensando em conversar com eles, porque quem não quiser nada com nada, aí vai ser complicado”, explicou.

Esmolas

Vereadores e a secretária concordaram que é preciso conscientizar os joinvilenses para que não deem esmola. Para Fabiane, as pessoas precisam instruir quem pede dinheiro a procurar os equipamentos públicos de assistência, como o Centro POP e os dois restaurantes populares, que dispõem de café da manhã e almoço gratuitos.

Saúde

A Secretaria de Saúde do município tem uma equipe técnica, com financiamento do Ministério da Saúde, que faz trabalho conjunto com o Centro POP. Segundo o secretário Jean Rodrigues da Silva, eles acompanham doenças crônicas das pessoas em situação de rua.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

92.1%
5.3%
2.6%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp