09/08/2021 às 08h41min - Atualizada em 09/08/2021 às 08h41min

Pacientes da Unimed Joinville recebem tecnologia capaz de diminuir a queda de cabelo no tratamento contra o câncer

O sistema resfria o couro cabeludo, ajudando a reduzir a absorção de remédios na região

Redação Agora Joinville
LGA Comunicação
Foto: Divulgação

A queda de cabelos, um dos principais efeitos colaterais da quimioterapia e que afeta principalmente as mulheres, agora pode ser combatida por meio da Touca Inglesa Paxman. A nova tecnologia acaba de chegar à Unimed Joinville, sendo mais uma opção para que os pacientes da região possam vencer o câncer utilizando a crioterapia capilar. Os pacientes vão ter acesso à tecnologia presente nos principais centros de referência de tratamento de câncer nos Estados Unidos e Europa, como o hospital universitário do Texas - MD Anderson Cancer Center ou Johns Hopkins Hospital, que estão entre os considerados cinco melhores do mundo. 

  

Enfrentar o tratamento é um grande desafio, e que pode ser ainda mais difícil quando pacientes apresentam quadros de baixa autoestima e depressão. Estudos revelam que a queda de cabelo é um dos efeitos colaterais mais traumatizantes  da quimioterapia e causa danos que vão muito além do aspecto visual. As consequências são graves e até podem incidir na desistência do tratamento.  

  

Como funciona 

A  touca, conectada a uma unidade de refrigeração, é colocada na cabeça do paciente cerca de 30 minutos antes e mantida em torno de uma hora e meia após a infusão das drogas, dependendo do protocolo adotado. O sistema resfria o couro cabeludo a uma temperatura em torno de 20°C. Com isso, diminui o fluxo sanguíneo nos folículos capilares e reduz a absorção dos fármacos na região. 

  

No Brasil, desde 2013, já foram realizadas mais de 200 mil sessões nos principais centros de referência e hospitais de  15 estados brasileiros, além do Distrito Federal.  O sistema, criado no Reino Unido pela empresa Paxman, é o único no Brasil com certificação  da  FDA  (Agência Federal  do Departamento de Saúde e Serviços Humanos  dos EUA)  e registrado na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

  

A  tecnologia de resfriamento do couro cabeludo vem sendo desenvolvida há décadas, e curiosamente já utilizou até mesmo melancias na cabeça de pacientes, nos primórdios dos estudos. Ao longo de mais de 20 anos de pesquisas com a Touca Inglesa,  pacientes relataram a diminuição da  alopecia a ponto de dispensar o uso de lenço ou peruca. A taxa de sucesso depende do tipo de medicação administrada, 50% para as mais fortes e até 92% nas menos agressivas e a sensação de frio foi tolerada por 98% dos pacientes. 

 

A terapia não é indicada para os tipos de câncer hematológicos ou para alguma alergia ao frio. Recentemente, a FDA expandiu o uso  da  Touca Inglesa para outros tipos de tumores sólidos. 

 

Muito além da estética 

Uma importante novidade foi divulgada pela National Comprehensive Cancer Network (NCCN), com impacto direto para pacientes de câncer de mama. O uso da crioterapia capilar, por meio da Touca Inglesa, agora faz parte das Diretrizes de Prática Clínica em Oncologia da NCCN para pacientes que vão iniciar o tratamento para câncer de mama. A inclusão foi publicada na atualização 2019.1 da NCCN. A novidade reforça a importância e consequências da possibilidade de manutenção dos cabelos durante a quimioterapia.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

91.3%
6.0%
2.7%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp