21/07/2021 às 15h27min - Atualizada em 21/07/2021 às 15h27min

Governo vai antecipar imunização na fronteira com Argentina para conter variantes

Medida faz parte dos esforços para diminuir o risco de introdução de novas variantes em Santa Catarina

Redação Agora Joinville
Governo de SC
Foto: Ricardo Wolffenbüttel/SECOM

Uma deliberação da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) desta terça-feira (20) ditou os rumos da imunização em 10 municípios catarinenses que fazem fronteira com a Argentina. A intenção do Governo de Santa Catarina é concluir a aplicação da primeira dose na população de 18 a 39 anos nas próximas semanas nas cidades de Bandeirante, Belmonte, Dionísio Cerqueira, Guaraciaba, Itapiranga, Paraíso, Princesa, Santa Helena, São José do Cedro e Tunápolis. Ao todo, cerca de 25 mil doses precisam ser administradas para atingir todos os adultos aptos destes municípios. 

 

“Vamos antecipar a vacinação de toda a população adulta nos locais que fazem fronteira com a Argentina. A medida faz parte dos esforços para diminuir o risco de introdução de novas variantes em Santa Catarina”, disse o governador Carlos Moisés.

 

Para a realização da vacinação em massa, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) solicitou ao Ministério da Saúde (MS) o quantitativo de 24.459 doses. O pedido foi atendido e essas doses chegaram a Santa Catarina nesta terça-feira (20). Ações similares serão realizadas em todos os estados que fazem fronteira com Uruguai, Paraguai, Argentina, Bolívia, Peru, Colômbia e Venezuela.

 

"A nossa intenção é prevenir as variantes de preocupação e de interesse. Os estudos demonstram que essas mutações possuem maior capacidade de transmissibilidade, o que representa possível sobrecarga na saúde pública e nos serviços. Com o intuito de proteger a saúde dos catarinenses, evitando novos casos mais graves, a Secretaria solicitou ao Ministério da Saúde um quantitativo suficiente para imunizar toda a população restante destes 10 municípios", afirmou o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro. 

 

O superintendente de vigilância em saúde, Eduardo Macário, explica que há uma possibilidade de disseminação de novas variantes por conta do alto fluxo de circulação nas cidades contempladas. “Proteger a população dos municípios de fronteira garantirá que, caso sejam expostos ao vírus, não venha a evoluir para formas graves de Covid-19 e que até mesmo venham a óbito”, ressalta o superintendente. 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

92.9%
4.7%
2.4%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp