20/05/2021 às 11h43min - Atualizada em 20/05/2021 às 11h43min

‘A Estrada Arataca está abandonada há muitos anos’, diz moradora

Gislaini Bosse conta sobre problemas da via e falta de assistência da prefeitura

Beatriz Kina
Foto: Jacson Carvalho
“A Estrada Arataca está abandonada há muitos anos”, lamentou Gislaini Bosse, moradora do local há sete anos. Lama, pó, entulhos de lixo, abandono de animais, tráfego intenso de caminhões que não respeitam o limite de velocidade e suspeita de focos de dengue. Segundo ela, esses são alguns dos problemas que a estrada enfrenta. 

A moradora disse que já entrou em contato com agentes da subprefeitura e que há demora no retorno. Gislaini disse que quando a manutenção é feita “eles só espalham o próprio barro, o que aumenta ainda mais a lama dia de chuva.”

“Na minha casa tenho uma área aberta que temos que manter isolada. Toda vez que usa tem que lavar, pois o pó é absurdo”, contou. “O piso da minha garagem está todo quebrado, porque a lama é tanta que ao entrar na garagem gruda a brita no pneu e gera estragos.”

“Há muitas promessas de asfalto e calçamento. Chegaram a fazer reuniões com moradores, porém se os moradores tiverem que pagar isso nunca vai sair, pois os terrenos aqui são grandes, e a maioria dos moradores não têm condições financeiras de arcar”, afirmou a moradora.

Gislaini ainda contou que existem problemas de pessoas que jogam entulho de lixo no decorrer de toda a estrada.



Sobre o abandono de animais, Gislaini relatou que a situação já está ficando perigosa, já que os cachorros atacam algumas pessoas que passam pelo local de bicicleta. “Eu mesma essa semana tive que correr com meu filho pra não ser pega por um”, contou.

Outro problema na região é que, devido a falta de fiscalização, os caminhões que passam pela região não respeitam as normas de trânsito.”No início deste ano, uma caçamba chegou a passar com a parte de trás levantada, o que causou a ruptura dos fios das ruas”, relatou Gislaini.

A moradora contou que também suspeita que existam fotos de dengue por conta de valas abertas. ”Pegamos dois mosquitos, meu marido enrolou pra levar no posto, se confirmar vamos chamar a vigilância.”



A equipe do Agora Joinville entrou em contato com a prefeitura para buscar a resolução dos problemas. Em resposta sobre a condição da estrada, a prefeitura disse que as Subprefeituras Sudoeste e Leste, realizam periodicamente o trabalho de patrolamento para minimizar problemas como pó, lama e buracos causados pelo tráfego de caminhões.

Quanto ao entulho de lixo, o órgão destacou que em determinados casos pode ser considerado crime ambiental e que os moradores podem denunciar flagrantes para a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (SAMA). “Vale destacar que os resíduos descartados em terrenos particulares são de responsabilidade dos proprietários dos imóveis”, afirmou a prefeitura em resposta. 

Casos de abandono de animais e possíveis focos de mosquito da dengue a prefeitura orientou que também podem ser denunciados à SAMA e à Vigilância Ambiental, por meio da Ouvidoria do município, pelo telefone 156, ou pelo site da prefeitura. 

A respeito dos veículos que ultrapassam o limite de velocidade, o Departamento de Trânsito (DETRANS), informou que existem placas indicativas do limite de velocidade, de 40 Km por hora.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

91.7%
4.2%
4.2%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp