24/06/2021 às 08h40min - Atualizada em 24/06/2021 às 08h38min

Moisés, o articulado

Prisco Paraíso
Definitivamente, não é mais possível afirmar que o governo de Moisés da Silva é marcado pela desarticulação político-administrativa. Longe disso. Depois que o governador resolveu entrar em fina sintonia com a Assembleia Legislativa, inclusive chamando deputados para o Colegiado e colocando o braço-direito de Júlio Garcia, Eron Giordani, na Casa Civil, o diapasão governista mudou radicalmente.
Nem vamos falar da nova agenda do chefe do Executivo. Moisés tem ido com frequência a Brasília, despachado com ministros e vem percorrendo o estado, entregando obras, assinando ordens de serviço e comprometendo-se com novos investimentos.
Sem contar a excelente relação construída junto ao setor produtivo catarinense.
Fiquemos apenas e tão somente no binômio Reforma da Previdência, que deve, aliás, aportar na Alesc na próxima semana; e nas projeções de reposição salarial a categorias estratégicas do funcionalismo estadual.
 
Esse é o caminho
Age com inteligência e senso político o governo na medida em que a Reforma da Previdência, assim como já ocorreu em 2019 no âmbito federal, quando for aprovada no estado, os servidores passarão a se aposentar com mais idade. Muito provavelmente, a aposentadoria será facultada a partir dos 65 anos para os homens e aos 60 para as mulheres do serviço público estadual.
 
Pilares
As exceções devem ficar restritas aos professores e aos profissionais da Segurança Pública.
 
Rumo ao abismo
A reforma é indispensável para colocar o estado nos trilhos. Não é mais possível que a viúva estadual banque R$ 400 milhões mensais, com o suado dinheiro dos impostos, apenas para cobrir o rombo do Iprev, o Instituto Estadual de Previdência.
 
Bolada
Isso significa um rombo de quase R$ 5 bilhões anuais. É muito dinheiro, mas muito mesmo. Algo surreal e impossível de sustentar.
 
Cifras
A aprovação da reforma, conforme gestada pelo Centro Administrativo, ensejará uma economia de R$ 22 Bilhões em 20 anos. É uma fábula financeira. Da vida real!
 
Ainda mais
Considerando-se os critérios do cálculo atuarial do sistema, a economia prevista atinge a impressionante, estratosférica, quase que inimaginável cifra de R$ 37 bilhões em duas décadas. A reforma, portanto, vem para evitar a iminente falência do estado catarinense.
 
Morde-assopra
Para amenizar o quadro natural de resistências por parte do espírito corporativista dos servidores, o governo acena com as reposições salariais. Na Educação, foi anunciado que nenhum professor com formação superior e carga horária de 40 horas semanais poderá ganhar menos do que R$ 5 mil. Dentro do plano de carreira, o que é fundamental. O teto da categoria poderá chegar a R$ 6,8 mil para que não haja distorções.
 
Duas frentes
Em outros dois pilares da administração pública, a Saúde e a Segurança, Moisés da Silva também sinaliza com melhoras substancias nos vencimentos das categorias. O que é justo, registre-se. Ou seja, todos terão ganhos.
 
Competência
Aí é que entrou, de maneira competente, a articulação governista, criando um ambiente que deixará os deputados estaduais muito mais à vontade para aprovarem o texto que sairá do Centro Administrativo em breve.
 
Homem de confiança
O governo, na figura do secretário Jorge Tasca, está negociando com as categorias. Nesta quarta-feira, 16 entidades da Segurança se reuniram para apresentar o pleito da classe. O reajuste, em percentual a ser definido, passará a valer em janeiro de 2022, em função da lei federal 173, que proíbe majorações salariais durante a pandemia.
 
Milhares
Na Educação também seguem as negociações finais. Cerca de 50 mil docentes devem ser beneficiados.
 
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

93.5%
4.3%
2.2%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp