20/01/2021 às 07h57min - Atualizada em 20/01/2021 às 00h00min

Hemorragia financeira e política

Prisco Paraiso
AJ
Em meio ao frenesi que marca o início da vacinação contra a Covid19, a segunda fase da Operação Alcatraz, denominada de Hemorragia, sacudiu a política estadual ontem. Trata-se de nova investida da força-tarefa composta por agentes da PF, do MPF, da Receita Federal e do Ministério Público de Contas.

Foram 34 mandados de busca e apreensão, sem falar em 20 mandados de prisão preventiva ou provisória.

Neste pacote, foi decretada a prisão domiciliar do ainda presidente da Assembleia Legislativa, deputado Júlio Garcia. A modalidade de detenção domiciliar foi utilizada em função da pandemia.

Ontem pela manhã, o parlamentar prestou esclarecimentos na sede da PF na Capital. Garcia já enfrenta várias denúncias por parte da força-tarefa e encontra-se na iminência de tornar-se réu no âmbito da Alcatraz, com base em despacho da juíza Janaína Cassol Machado.

Ex-governador

Agentes também bateram na casa do ex-governador Eduardo Pinho Moreira, ex-presidente do MDB catarinense. A conferir os desdobramentos. É fato, contudo, que algumas figuras tradicionais da política estadual se encontram em péssimos lençóis diante da profundidade alcançada pelos investigadores.

Bens bloqueados

No texto oficial divulgado pela assessoria de Comunicação do Ministério Público Federal, ontem, chamou atenção a parte que destaca que houve bloqueio de bens dos investigados por parte do juízo federal na Capital. "Ainda para assegurar a reparação do dano ao erário e a perda dos vultosos valores auferidos ilicitamente pelos investigados (...) e a indisponibilidade de bens imóveis via sistema CNIB de 17 pessoas investigadas e 14 empresas supostamente envolvidas nas fraudes e desvios," diz trecho da notícia.

Luxo e ostentação

As informações detalham que houve, ainda, o sequestro de 7 imóveis (apartamentos, terrenos, casa e vagas de garagem) em nome de familiares ou empresas relacionadas a um dos investigados e de dois veículos por ele utilizados. Também foi determinado o sequestro, apreensão e restrição de circulação de 14 veículos de investigados e empresas envolvidas, entre esses, vários que podem ser considerados como "veículos de luxo".

Origem na sonegação

A investigação que hoje se conhece como Alcatraz teve início em julho de 2018, a partir de representação da Receita Federal, que noticiava, além da sonegação de tributos federais, indícios de elevado desvio de recursos públicos em contratos do governo estadual, envolvendo a empresa responsável pela gestão do plano de saúde dos servidores estaduais (SC Saúde) e empresas da área de tecnologia da informação (TI).

E agora?

No final de dezembro de 2020, Moisés da Silva nomeou seu novo chefe da Casa Civil. Uma figura conhecida e umbilicalmente ligada, nos últimos anos, ao presidente da Assembleia, Júlio Garcia. Antes disso, o cidadão já havia prestado serviços para outras lideranças do PSD, com longo histórico de serviços prestados a cardeais da legenda.

FRASE

 "É uma importante missão. Vamos fazer um trabalho de sinergia muito forte, principalmente na assistência rural, com ações voltadas à parte hídrica com preservação e recuperação de nascentes, poços artesianos, entre outros. Também, com parcerias, um programa de energia elétrica trifásica para o interior. Precisamos estimular e fortalecer cada vez mais o setor produtivo." Altair Silva, deputado que acaba de assumir a Secretaria de Estado da Agricultura.
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

91.5%
5.9%
2.6%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp