04/06/2021 às 10h24min - Atualizada em 04/06/2021 às 10h22min

Repercussão nacional

Prisco Paraíso
Moisés da Silva escalou a tribuna do Twitter para parabenizar os deputados estaduais que derrubaram os vetos de Daniela Reinehr, no âmbito da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alesc, aos projetos de lei que autorizam o governo estadual a investir em obras nas rodovias federais que cortam Santa Catarina.

"É esse tipo de esforço que a sociedade catarinense espera de nós", assinalou o governador. Sinal inequívoco do momento harmônico entre os dois poderes. A geleia geral de outrora foi substituída por uma base governista consistente na Alesc.

Daniela havia levado a matéria ao freezer em sua segunda interinidade como governadora. Ainda ontem à noite, Moisés emendou um segundo tweet informando o "competente" (e é mesmo) ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, da novidade.

Amizade virtual

O titular da esplanada devolveu a gentileza e prometeu mais "infra" para os catarinenses.
Tomara! "Fico honrado pelo gesto de confiança que Santa Catarina está nos dando'', cravou Freitas, do alto de sua timeline.  De qualquer forma, o episódio deixa claro que o governador segue buscando maior proximidade e sintonia com o governo Jair Bolsonaro. Movimento que é positivo pensando-se no bem maior para o estado.

PL e PTB

Deputado Kennedy Nunes foi reeleito para a Alesc, em 2018, pelo PSD, depois do desembarque da sigla com anuência de Gilberto Kassab, presidente nacional dos pessedistas, encaminha sua filiação ao DEM do prefeito Gean Loureiro.

Figura carimbada

No meio do caminho, no entanto, surgiu o ex-deputado Roberto Jefferson, aquele que denunciou o mensalão de Lula da Silva e do PT lá em 2005. Para quem não lembra, foi o primeiro escândalo que veio à tona na longa lista da era PT no comando deste país.

Senado

Jefferson é o comandante nacional do PTB e acenou a Kennedy Nunes, não apenas com uma candidatura majoritária pela legenda, como também lhe outorgou o comando da sigla no território estadual.
Neste contexto, Kennedy é pré-candidato ao Senado e fechou acordo verbal, esta semana, com o senador Jorginho Mello, líder do PL catarinense e pré-candidato ao governo do Estado. Costura que passou, naturalmente, por Brasília.

Tríade de partidos

Jorginho, aliás, além de controlar o PL e agora contar com o PTB sob sua área de influência, também passou a comandar o Patriotas catarinense, guindando seu filho, o advogado Filipe Mello, ao posto de presidente estadual da sigla.
Patriotas que, salvo algum acidente de percurso, será o partido de Jair Bolsonaro para o projeto de reeleição em 2022.

Divisão na bancada

A esta altura do campeonato, junho de 2021, considerando-se que as eleições serão em outubro de 2022, a bancada do PL encontra-se dividida. O partido de Jorginho Mello elegeu três deputados: Marcius Machado, Maurício Eskudlark e Nilso Berlanda. De 2019 pra cá, a legenda agregou dois novos parlamentares: Ivan Naatz, egresso do PV, e Sargento Lima, que deixou as fileiras do PSL após posicionar-se para salvar o pescoço de Daniela Reinehr no primeiro processo de impeachment sofrido por Moisés da Silva e que incluía a figura da vice-governadora no pedido de cassação.

Janela

Ocorre que Berlanda e Eskudlark estão em sintonia com Moisés da Silva. E Marcius Machado começa a emitir sinais de que pode estar seguindo a mesma direção. Já quanto a Naatz e Lima, os dois sentaram na trincheira oposicionista. Na janela de março saberemos como ficará exatamente o tamanho e a força de partido no tabuleiro estadual com vistas ao pleito eleitoral.
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

91.7%
4.2%
4.2%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp