03/03/2021 às 10h58min - Atualizada em 03/03/2021 às 10h22min

Desempenho vergonhoso

Prisco Paraíso
Levantamento proporcional de um site de notícias nacional mostra que a evolução da vacinação em Santa Catarina tem um desempenho lastimável. Percentualmente falando, estamos à frente de apenas cinco estados. São eles: Piauí, Pará, Maranhão, Sergipe e Acre.

Com todo o respeito a estas unidades federadas, mas a realidade social e econômica do estado sinalizaria para uma outra condição em termos de vacinação. Santa Catarina oscila entre a sexta e a sétima economia do país, inclusive na transferência de riquezas para Brasília.

Qual seria a razão para este desempenho pífio? Poucas vacinas? Na verdade, as informações indicam que 40% das doses que chegaram por aqui ainda não foram aplicadas. A infraestrutura do estado é fantástica para dar vazão a qualquer imunizante. Esse é um dado histórico. O problema então está nas prefeituras? Falta articulação entre estado e municípios?

O governador já declarou que dispõe de R$ 300 milhões para comprar vacinas. Anúncio feito no vácuo da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que já autorizou estados e municípios a comprarem os antivirais.

Quem comprou?

Mas se os governos centrais de vários países têm dificuldade de adquirirem os produtos, imaginem estados e municípios brasileiros? Há algo muito errado nessa história.

Tiro pela culatra

O STF, como é público e notório, atua sempre no sentido de tentar embretar o presidente da República. O tiro, neste caso, pode ter saído pela culatra, pois tende a escancarar que a tal "falta" de vacinas não é culpa de uma pessoa ou dirigente, mas de um processo global, que envolve uma cadeia complexa e delicada de produção e logística.

Suprema magia

Ou seja, não será uma canetada das supremas e canhotas togas que irá fazer aparecerem vacinas para todos os brasileiros como num passe de mágica.
Há muita hipocrisia e teratologia neste processo político e judicial em relação à pandemia de origem chinesa.

Ela no comando

A Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Santa Catarina (Adepol-SC) se prepara para eleger sua nova Diretoria. A eleição ocorrerá no dia 26 de março, com chapa única tendo à frente a Delegada Vivian Selig, atual Secretária-Geral da entidade e Delegada Regional de Tubarão. Ela é candidata a presidente pelo biênio 2021/2023. O pleito marca, também, a união de esforços dos delegados e delegadas na construção de uma chapa de consenso em um momento bastante desafiador, marcado pela pandemia e por demandas da classe, como a Reforma da Previdência Estadual. A posse da futura Diretoria acontecerá no dia 30 de abril.

Crescimento surpreendente

Com receita operacional bruta de R$ 49,8 bilhões, as cooperativas de todos os ramos deram importante contribuição ao desenvolvimento catarinense em 2020. O crescimento foi da ordem de 23,3% – o maior das últimas décadas – e o agronegócio foi mais uma vez a locomotiva na geração de empregos, renda e na produção de riquezas.

Universo

A avaliação é da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) e foi anunciada, nesta semana, pelo presidente Luiz Vicente Suzin. O levantamento abrangeu as 251 cooperativas registradas na entidade.
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

91.3%
6.0%
2.7%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp