20/04/2022 às 14h05min - Atualizada em 20/04/2022 às 14h03min

A força da máquina

Moisés da Silva, embora não esteja licenciado do cargo de governador, tem colocado o pé na estrada em agendas de pré-campanha eleitoral.
Por onde passa, o chefe do Executivo vai contabilizando apoios de prefeitos. E deputados. Das mais variadas legendas. O tom chega a ser ufanista em alguns casos. A reunião dos prefeitos com o governador na sede da Amurel, em Tubarão, no começo desta semana foi um exemplo clássico deste momento. O encontro foi marcado por manifestações de apoio à gestão estadual.
Os presentes demonstraram desejo de retribuir a Moisés o respaldo financeiro que tiveram durante a gestão, considerada municipalista. Falou-se em continuidade. Presente ao encontro, o deputado estadual Volnei Weber, MDB, foi um dos exemplos. "Vamos trabalhar até o último minuto e mostrar que o melhor projeto é esse." Em todas as regiões que tem percorrido, Moisés da Silva tem sido elogiado e tem recebido manifestações de apoio dos prefeitos. Fato que inclusive está sob análises jurídicas de adversários do governador, que podem pedir a impugnação da candidatura ali adiante por uso da máquina e campanha fora de época.

Pix do Moisés

O lastro do apoio é financeiro, em função dos generosos repasses do Centro Administrativo para prefeituras, além das liberações, emendas e anúncios de obras intermediadas por parlamentares. É um frenesi pré-eleitoral no embalo da máquina pública.

Joares grato

"Gratidão não nos faltará e espero que nosso partido tenha juízo". Essas foram as palavras do prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, durante reunião dos 18 prefeitos da região da Amurel com o governador. Ponticelli foi o anfitrião da agenda.

Encaminhamento pessoal

O prefeito de Tubarão é do PP, partido que pode ter candidato a governador na figura de Esperidião Amin. O alcaide também já esteve próximo de outro pré-candidato, o senador Jorginho Mello.

Ventos da mudança

Em 2018, Joares Ponticelli apoiou Gelson Merisio e deu alfinetadas públicas no então candidato Carlos Moisés. Chegou a declarar que o máximo que Moisés tinha feito como gestor era ter administrado um quartel com 50 milicos. Durante a pandemia, o prefeito também fez duras críticas ao governador. Os ventos mudaram no Sul de Santa Catarina.

Oestino

O prefeito de São Miguel do Oeste, Wilson Trevisan, escalou a tribuna das redes sociais para anunciar sua desfiliação ao PSD. O motivo? O alcaide não vê qualquer sinal de que o partido estará alinhado ao governador do Estado nas eleições. Trevisan deixa a legenda para ficar livre e respaldar Moisés da Silva na campanha.
É mais um movimento norteado pelo empenho de Moisés em atender prefeitos com fartos recursos estaduais. A conferir os desdobramentos.

Projeto segue

Vendo o MDB ser assediado por concorrentes, sobretudo por Moisés da Silva, o pré-candidato do partido ao governo, Antídio Lunelli, reagiu. Está cumprindo várias agendas e fará roteiro por todo o Estado. Ontem, esteve em Florianópolis, onde sentou com o ex-governador Raimundo Colombo em um momento. Também houve reunião com o deputado Kennedy Nunes, pré-candidato ao Senado pelo PTB, e lideranças do PROS. Também presente o presidente estadual do MDB, deputado federal Celso Maldaner. Na coluna de amanhã vamos desdobrar com mais detalhes e análise essa movimentação de Antídio e Maldaner.

Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Leia Também »
Comentários »

Se as eleições fosse hoje, para quem você votaria para presidente da República no primeiro turno (2022)

76.5%
18.0%
0.9%
0.3%
3.4%
0.6%
0.3%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp