08/12/2021 às 10h35min - Atualizada em 08/12/2021 às 10h35min

Indefinição impera

Prisco Paraíso
Candidato, candidato mesmo a esta altura do campeonato – faltando pouco mais de 10 meses para as eleições - só existe um em Santa Catarina: é o senador Jorginho Mello, que vem há anos construindo seu projeto no PL (ex-PR), agregando e ganhando terreno. 
 
Nos demais partidos de proa, "vários" nomes à mesa o que significa que, por enquanto, os partidos não tem ninguém para sentar à mesa, conversar, articular, negociar e liderar o processo. 
 
Estão todos acéfalos: vale para o MDB, o PSD, o PSDB e o PP, só pra ficar nos maiores partidos. 
 
Este quarteto também gira em torno da "possibilidade" de ter o governador Moisés da Silva como candidato à reeleição. 
 
Realmente um cenário sui generis, considerando-se, inclusive, que Moisés é cristão novo na política e ainda não foi provado nas urnas. 
 
Venceu uma eleição em que o nome importava quase nada. O que valia era o 17 de Bolsonaro.
 
Recuo
O MDB ensaiou uma definição para este começo de semana, mas segue tudo como dantes no quartel de Abrantes: três pré-candidatos, mais a sombra do governador, que seria a "solução" para todos os problemas do Manda Brasa. 
 
Tripé
No PSD também são três nomes e o mesmo discurso: candidatura própria. No PP, dois nomes estão na baila, mais a possibilidade que atende por Moisés. Esta semana, teve evento festivo dos pessedistas, que mostrou uma certa unidade e força na presença do comandante nacional, Gilberto Kassab. Mas sem maiores definições em relação ao projeto majoritário local. 
 
Neo tucano
Moisés da Silva agora passou a flertar também com o PSDB. Mas como seria isso? Para ser candidato do tucanato em Santa Catarina, o governador terá que se acertar com o presidenciável João Doria, que já lançou o nome do pupilo Vinícius Lummertz para lhe dar palanque em Santa Catarina. Moisés vai virar Doria? 
 
Vale tudo
Neste cenário surreal em Santa Catarina, o senador do PL vai nadando de braçada enquanto a turma segue negociando, projetando, avaliando, e, claro, se beneficiando de estarem todos, menos o PL, no governo do Estado. 
 
Financiamento rural
A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) é a 1ª federação vinculada ao Sistema CNA a ser credenciada para atuar como certificadora para prestação de serviço de assistência técnica e extensão rural na elaboração de projetos técnicos e de financiamento, bem como de orientação técnica para implantação dos projetos. Para preparar os dirigentes e funcionários dos Sindicatos Rurais, a entidade promoveu capacitação on-line sobre o sobre o Programa Terra Brasil – Plano Nacional de Crédito Fundiário (PNCF), no último fim de semana.
 
Infraestrutura
 A Agenda Estratégica da Indústria para Infraestrutura de Transporte e a Logística Catarinense mostra que o estado demanda R$ 18,5 bilhões até 2025 para manter e ampliar a infraestrutura de transporte nos modais rodoviário (R$ 14,4 bilhões), ferroviário (R$ 928,7 milhões), aeroviário (R$ 1,28 bilhão), dutoviário (R$ 400 milhões) e aquaviário (R$ 1,5 bilhão). Dos R$ 18,5 bilhões, R$ 5,6 bilhões são relativos a investimentos federais, R$ 4 bilhões estaduais, R$ 200 milhões municipais e R$ 8,7 bilhões privados. 
 
Mapa
As informações estão no documento, apresentado pela Federação das Indústrias (FIESC), nesta segunda-feira (6), em Florianópolis, com a participação de lideranças industriais, políticas e especialistas da CNI e do Ministério da Infraestrutura.
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Em quem você votaria para Governador de SC no segundo turno?

27.3%
72.7%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp