17/09/2021 às 09h45min - Atualizada em 17/09/2021 às 09h43min

Infraestrutura: o gargalo catarinense

Prisco Paraíso
Emblemático o ato de assinatura do termo de cooperação técnica entre o Estado e a União para investimento de quase meio bilhão de reais de recursos estaduais nas rodovias federais que cortam Santa Catarina.
 
Presença do presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, de prefeitos e dois deputados da região do Vale do Itajaí, Milton Hobus e Ricardo Alba.
 
A rápida solenidade ocorreu próxima do Aeroporto de Navegantes como forma de otimizar a agenda de Moisés da Silva, que dali partiu para Brasília.
 
O governador, aliás, quebrou o protocolo e chamou todas as autoridades presentes para assinarem o documento, conferindo um status de solução conjunta entre diversos segmentos da sociedade. Não é de hoje que o atraso infra estrutural assola e atrapalha sobremaneira o desenvolvimento catarinense.
 
 
Alhos e bugalhos
No final das contas, a sociedade espera soluções e as melhorias necessárias, que, no contexto atual, sequer se aproximam da absurda carga tributária que os trabalhadores e empresários pagam neste país.
 
Mas a saída encontrada e defendida por Moisés é controversa. Sobretudo porque a malha viária estadual, as SC's que interligam as vias federais, estão em péssimo estado, salvo raras exceções.
 
 
Gato e peixe
Moisés da Silva deu a tacada pensando em resolver parte do problema, mas também de olho no discurso da campanha eleitoral de 2022.
 
A oposição ao governador já tem levantado a lebre quando se fala no projeto de reeleição do atual mandatário: "qual a grande obra do governo Moisés em Santa Catarina?", questionam. Não tenham dúvidas de que ele irá utilizar os investimentos nas BR's para tentar neutralizar este questionamento.
 
 
Divisão do bolo
Os quase meio bilhão de reais estão assim divididos: R$ 300 milhões para a BR-470; já a BR-163 terá R$ 100 milhões; outros R$ 50 milhões serão aplicados na BR-280 e, finalmente, há os R$ 15 milhões para a Serra da Rocinha, na BR-285, Sul do Estado. Esta obra, aliás, não foi concluída por apenas um quilômetro não pavimentado. A União havia separado R$ 20 milhões, valor que foi contingenciado este ano.
 
 
Na conta
O dinheiro catarinense, ressalte-se, já está disponível para a execução das obras pelo governo federal.
 
 
Concessões
Ainda sobre o assunto rodovias federais. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, apresentou o novo plano nacional de concessão de estradas à iniciativa privada.
 
Para Santa Catarina, está prevista a concessão de mais de 1,6 mil quilômetros de BR's. A iniciativa é importante, mas não menos importante é a fiscalização e o acompanhamento da sociedade na elaboração dos contratos para que realmente haja melhorias significativas na malha viária sem abusos no valor dos pedágios.
 
 
E agora?
Santa Catarina está praticando o gesto na direção do Planalto. O que se espera é que venha a retribuição do governo federal, o que, dependendo do modelo, pode até ser através deste pacote de concessões viárias no território catarinense.
 
 
Molho político
Dos parlamentares catarinenses, 18 tem votado direto com os interesses do Planalto. Somente o petista Pedro Uczai tem feito oposição sistemática.
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

92.4%
5.6%
2.0%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp