19/08/2021 às 14h50min - Atualizada em 19/08/2021 às 14h48min

Bancada emedebista quer prévias em 2022

Prisco Paraíso
Os deputados estaduais do MDB, contabilizando-se aí a suplente Dirce Heiderscheidt, que está no exercício do mandato enquanto Luiz Fernando Vampiro atua na Secretaria de Estado da Educação, estão fechadíssimos: prévias partidárias para definir o nome do Manda Brasa a governador só em 2022.
 
Esse posicionamento em bloco dos estaduais, liderados pelo presidente da Assembleia Legislativa, Mauro de Nadal (liderança que se consolida definitivamente a partir de sua condição à frente do Legislativo) é emblemático. Atualmente, este é o segmento mais forte do partido (um quarto das cadeiras da Alesc). Os 10 deputados contam com o apoio do senador Dário Berger, pré-candidato a governador. Embora o presidente do MDB-SC, deputado federal Celso Maldaner, também postulante à indicação partidária, manifeste o desejo de definir a situação em novembro, o quadro se complica ante a força da bancada estadual.
 
Os prefeitos do partido, em sua maioria, também olham com simpatia para o adiamento da disputa. Aos mandatários municipais interessa a sintonia dos deputados estaduais com o governador Moisés, bem como o encaminhamento das emendas federais tanto de Celso Maldaner como de Dário Berger.
 
 
Fechando portas
Se forem obrigados a posicionar neste momento, os prefeitos perderão em alguma frente, sem sombra de dúvidas.
 
Mesmo foco
O prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli, está fechado com Maldaner. Quer as prévias em novembro porque também é pré-candidato e tem boas perspectivas de emplacar a esta altura do campeonato.
 
Instabilidade
Ocorre, contudo, que os bastidores estão fervendo e muita coisa ainda pode mudar. O cenário é de muita indefinição.
 
Sonho antigo
Por falar em sintonia, Moisés da Silva está muito, mas muito bem com o MDB. Convém lembrar que o governador segue sem partido.
 
Suponhamos que o trio emedebista não decole até março de 2022 e a maioria das lideranças emedebistas esteja convencida de que o melhor caminho seria receber Moisés em suas fileiras para o projeto de reeleição? Esta possibilidade, anotem, não pode ser descartada.
 
Unção
Evidentemente que se avançarem as conversas nesta direção, o governador não assinaria ficha no MDB para disputar prévias. Chegaria para ser o candidato do partido.
 
Outros partidos
Articulações neste sentido agradam alas do PSD e do próprio PSDB. Muito embora as duas legendas possam ter candidatos a presidente em 2022, assim como o próprio MDB, nada impediria uma convergência de forças num segundo turno em Santa Catarina.
 
In dubio
A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) aprovou, na terça-feira (17), projeto de lei complementar (PLC) que extingue o voto de minerva no Tribunal Administrativo Tributário do Estado. Na prática, a ideia é que as votações empatadas sejam consideradas favoráveis aos contribuintes.
 
Pró réu
De acordo com o deputado Milton Hobus (PSD), autor do projeto, hoje as decisões têm um viés arrecadatório ao serem, na maioria, contra o cidadão. Ele justifica ainda que o tribunal deveria ser formado por servidores da Fazenda catarinense e por representantes da sociedade civil, mas ocorre que os presidentes desses colegiados, responsáveis por esse voto de desempate, são indicados pelo próprio Estado.
Link
Prisco Paraíso

Prisco Paraíso

Comentarista Político

Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da criação da região metropolitana de Joinville?

90.7%
6.8%
2.5%
Anuncie no AJ
Atendimento
Quer divulgar sua empresa? fale conosco pelo Whatsapp